escritório

escritório

sábado, 23 de agosto de 2014

BLITZ DA LEI SECA APÓS SHOW NA ARENA DAS DUNAS

Do G1 RN
Barreira de fiscalização da Operação Lei Seca foi montada na Avenida Prudente de Morais (Foto: Tenente da PM Styvenson Valentim/G1)Barreira de fiscalização da Operação Lei Seca foi montada na Avenida Prudente de Morais (Foto: Tenente da PM Styvenson Valentim/G1)
Com um corte profundo no braço, ferimento causado por uma faca, um taxista precisou ser socorrido às pressas para o hospital. Em outro momento, uma discussão causada por ciúmes acabou com três mulheres trocando socos e tapas. As informações são do tenente da Polícia Militar Styvenson Valentim, que coordenou mais uma blitz da Operação Lei Seca, realizada na madrugada deste sábado em Natal.
Ao G1, o tenente relatou que o taxista foi esfaqueado a aproximadamente 20 metros da barreira de fiscalização. Dois homens foram presos suspeitos de terem cometido o crime. “Eles disseram que estavam atravessando a Prudente, que estava com o trânsito engarrafado por causa da blitz, quando o taxista teria feito menção de que avançaria com o carro por cima deles. Eles afirmam que xingaram o taxista e houve discussão. Então o taxista desceu do veículo e eles entraram em luta corporal”, contou. A barreira, segundo o oficial, foi montada na Avenida Prudente de Morais, com o propósito de abordar os motoristas que saíam de uma festa realizada na Arena das Dunas. Trinta e quatro condutores foram autuados por infrações administrativas e outros 12 foram presos por embriaguez ao volante. A fiscalização aconteceu da 0h às 4h, e contou com apoio da Delegacia Móvel da Polícia Civil e Departamento Estadual de Trânsito (Detran).

Ainda de acordo com Styvenson, em certo momento um dos suspeitos puxou uma faca e golpeou o braço do taxista. “Daí eles correram, mas nós conseguimos encontrá-los tentando fugir em um outro táxi. Não encontramos a faca, mas eles foram presos. O corte no braço do taxista foi muito profundo, que atingiu a artéria”, acrescentou. O taxista foi levado pelo Samu para o Pronto-Socorro Clóvis Sarinho, onde permanece em observação.
Após a confusão, o tenente disse que houve uma nova briga, também próximo da barreira. Desta vez, três mulheres se atracaram e trocaram socos e tapas. “Tinha um cidadão em um carro com duas mulheres. Como ele havia bebido, ficou com medo de ser pego na blitz. Então ele ligou pra mulher dele ir buscá-lo. Quando a mulher chegou, e viu ele com outras duas, o clima não ficou bom. A mulher dele e as duas começaram a bater boca e começou abriga”, relatou.
Por fim, as três mulheres foram levadas para a delegacia, onde foi registrado um boletim de ocorrência por agressão. Foi lavrado um termo circunstanciado e todas liberadas.
Quanto aos motoristas presos por dirigirem sob efeito de álcool, eles tiveram que pagar fiança e foram liberados. Contudo, irão responder por crime de trânsito, pagar muita e ainda terão a carteira de habilitação retida por um ano.
Estatísticas
De 10 de janeiro a 28 de junho mais de 2 mil motoristas foram flagrados dirigindo sob a influência de álcool somente na capital potiguar. Destes, além de responderem administrativamente, 442 condutores foram presos, tiveram as carteiras de habilitação retidas e também responderão criminalmente pelo ato. A informação é da Polícia Militar, que ao lado do Detran realiza a Operação Lei Seca em Natal.

De acordo com o tenente Styvenson Valentin, a maioria das barreiras foram montadas na Zona Sul da cidade, principalmente nas avenidas Engenheiro Roberto Freire, em ruas de Capim Macio, na avenida Ayrton Senna, em trechos das marginais da BR-101 e na Via Costeira, principal via de acesso à rede hoteleira.
Arte bafômetro vale (Foto: Editoria de Arte / G1)
Lei Seca
As regras da Lei Seca consideram ato criminal quando o motorista é flagrado dirigindo com índice de álcool no sangue superior ao permitido pelo Código Brasileiro de Trânsito: 0,34 miligrama de álcool por litro de ar expelido ou 6 decigramas por litro de sangue.

Nesse caso, a pena é de detenção de 6 meses a 3 anos, multa e suspensão temporária da carteira de motorista ou proibição permanente de obter a habilitação.
Condutores autuados por esse tipo de infração pagam R$ 1.915,40 de multa,  perdem 7 pontos na carteira e têm a CNH apreendida. O valor é dobrado caso o motorista tenha cometido a mesma infração nos 12 meses anteriores.
Se o bafômetro registrar um índice igual ou superior a 0,05 miligrama de álcool por litro de ar, mas abaixo do 0,34 permitido pelo Código de Trânsito, o condutor é punido apenas com multa.
No exame de sangue, o motorista será multado por qualquer concentração de álcool, e pode ser preso se tiver mais de 6 decigramas de álcool por litro de sangue.

Nenhum comentário:

Postar um comentário