escritório

escritório

quarta-feira, 20 de maio de 2015

CPI DA PETROBRÁS PEDIRÁ A EXUMAÇÃO DO CORPO DO EX-DEPUTADO JANENE

O presidente da CPI da Petrobras, deputado Hugo Motta (PMDB-PB), tomou uma decisão curiosa nesta quarta-feira (20): ele pedirá a exumação do corpo do ex-deputado José Janene. O motivo? A viúva de Janene acredita que o ex-deputado pode estar vivo.
José Janene morreu em 2010. Ele sofreu um acidente vascular cerebral no começo daquele ano, passou meses internado aguardando um transplante de coração, e morreu em setembro, aos 55 anos, no Instituto do Coração, em São Paulo. No entanto, Motta relatou que a viúva, Stael Fernanda Janene, disse que nunca viu o corpo de seu marido após o anúncio da morte - o caixão estava lacrado. Por isso, suspeita que ele possa estar vivo.
O ex-deputado José Janene, em foto de 2006 (Foto: Glaucio Dettmar / Editora Globo)
O assunto chegou ao interesse da CPI da Petrobras porque o nome de Janene apareceu nas investigações da Polícia Federal na Operação Lava Jato. Segundo as investigações, há indícios de que o ex-deputado agiu como um dos operadores do esquema de corrupção da Petrobras, ao lado do doleiro Alberto Youssef.
Ao jornal O Globo, Hugo Motta justificou o pedido de exumação do corpo. Ele disse que a CPI não perde nada com a exumação, e que há pessoas dizendo que Janene vive atualmente na América Central.
"A informação que temos é que a viúva não tem certeza que ele morreu. Ele faleceu de infarto e ninguém viu o corpo. O caixão chegou lacrado. A suspeita é que ele possa estar vivo. Seria um personagem a ser trazido na CPI. Ele foi responsável por todo esse escândalo, que tornou Alberto Youssef peça principal. Se é verdade ou não, não sei", disse.
A fala do do presidente da CPI foi duramente criticada pela filha de José Janene, Danielle Kemmer Janene. Ela disse ao portal UOL que o deputado foi desrespeitoso. Segundo Danielle, Janene sequer foi enterrado em um caixão, por conta da religião dele. Janene era muçulmano, e na tradição islâmica, os corpos não são enterrados em caixões. Em vez disso, eles são enrolados em uma túnica branca.
"Eu duvido que alguém tenha entrado em contato com a minha madrasta [Stael]. Esse deputado foi desrespeitoso com a minha família e com a religião. Segundo a religião, ele morre e vai para o paraíso e para entrar no paraíso precisa usar branco. O corpo tem que ser lavado por familiares, no caso do meu pai quem lavou foram três parentes", disse Danielle.
A filha afirmou que participou da liberação do corpo de Janene no hospital e que a CPI da Petrobras "perdeu a credibilidade" ao propor a exumação do corpo do ex-deputado.
Janene também foi um dos réus no caso do mensalão. No entanto, morreu antes do julgamento. Ou não.
bc

Nenhum comentário:

Postar um comentário