escritório

escritório

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

FUTEBOL: QUE FIM LEVOU?

PAULINHO McLAREN


por Rogério Micheletti
 
Errante do futebol, o Paulo César Vieira Rosa, o Paulinho McLaren, custou a ganhar fama. Ele perambulou pelo futebol do interior paulista e só depois de passagens rápidas pelo Atlético Paranaense e Figueirense, em 1989, explodiu no Santos.
 
Paulinho McLaren, que é casado e pai de três filhos, mora em São João da Boa Vista (SP), no dia 14 de novembro de 2014, o técnico assumiu o comando do Uberlândia Futebol Clube
 
O ex-jogador também é piloto e apaixonado pela aviação. Estava terminando, em 2007, o curso de graduação em Educação Física. Em 2008 dirigiu o Rio Claro, do interior paulista.
 
Em outubro do mesmo ano, foi confirmado como auxiliar técnico de Karmino Colombini no Rio Claro para a temporada 2009.
 
Até dezembro de 2010 Paulinho trabalhava como empresário de jogadores e comentarista na rádio da cidade, quando assumiu o comando técnico do Rio Claro-SP.
 
Mas após sofrer enorme pressão da diretoria do Galo Azul, devido a uma goleada sofrida, MacLaren deixou o comando do clube no dia 2 de março de 2012.
 
Nascido em 28 de setembro de 1963, natural de Igaraçu do Tietê (SP), Paulinho começou a carreira no Bandeirante de Birigui, em 1981. Jogou no Serra Negra, em 85, no Sãocarlense, em 86, no Comercial de Ribeirão, em 87, no Barretos, em 88, e na Votuporanguense, em 89, antes de chegar a uma grande equipe do cenário brasileiro.
 
No Atlético Paranaense, também em 89, não teve muitas oportunidades e acabou se transferindo para o Figueirense (SC). No time de Florianópolis, Paulinho provou ser um artilheiro, o que chamou a atenção de dirigentes santistas.

Paulinho, que ganhou o apelido de McLaren por causa da equipe de F-1 do piloto brasileiro Ayrton Senna, chegou desacreditado ao Santos, mas aos poucos conquistou a torcida. Chegou a fazer boas duplas no Santos com Serginho Chulapa, Almir (ex-Grêmio) e Guga. Ele foi artilheiro do nacional de 1991.
 
No final de 1992, Paulinho trocou o Santos pelo Porto, de Portugal. Lá, conquistou dois títulos: campeão português e supercampeão de Portugal, ambos em 1993.
 
No ano seguinte, o artilheiro voltou ao futebol brasileiro. Contratado pelo Internacional, Paulinho levantou mais uma taça, a do Campeonato Gaúcho de 1994. Depois do Inter, Paulinho jogou pela Portuguesa (94, 95 e 97), Cruzeiro (95 e 96), Fluminense (97), Atlético Mineiro (98), Miami Fusion (98) e encerrou carreira no Santa Cruz, em 99.

Nenhum comentário:

Postar um comentário