terça-feira, 15 de maio de 2018

ANÁLISE POLÍTICA POR NEY LOPES

Como participante do “leilão” de apoios eleitorais, o Partido Socialista Brasileiro (PSB) ouve PT e PDT para coligar-se na corrida presidencial, causando apreensões no cenário eleitoral do RN.

No Estado, Fábio Dantas (PSB) insiste em ser candidato a governador.

Está em plena campanha e o seu maior “trunfo” é cooptar o PSDB, que se auto anuncia como a “noiva cobiçada” da eleição potiguar em 2018.

Já Carlos Eduardo, igualmente em campanha, coloca o seu nome desde o início, em função do PDT e da candidatura de Ciro Gomes.

Nunca negou isso.

O cenário indica que, se o PSB aliar-se ao PT, Fábio Dantas voltará às suas origens de militar em partido tipicamente da esquerda, já que é egresso do PCdoB.

O primeiro efeito seria facilitar a ida do PSDB para o “colo” de Robinson Faria (apoio direto ou indireto), já que os tucanos não admitem aliança com petistas.

Restará saber como serão distribuídas as candidaturas no casamento de socialistas e petistas potiguares.

Fátima Bezerra manteria a candidatura e Fábio Dantas disputaria o Senado com Zenaide Maia?

Ou Fátima sai e apoia Fábio para o governo do Estado, em troca de fortalecer a chapa proporcional da coligação?

Na hipótese do PSB coligar-se com o PDT, apoiando Ciro Gomes, o imbróglio ficaria mais difícil de ser descascado.

O PDT já tem candidatos a governador e a senador.

Qual seria, então, o destino de Fábio Dantas.

Enquanto as cúpulas de PSB e PDT conversam em Brasília, no Rio Grande do Norte muitos candidatos perdem o sono, com o abacaxi futuro que terão de descascar e as dificuldades que surgirão..

Nenhum comentário:

Postar um comentário