SOBE DÍVIDA BRUTA DO BRASIL

 A DBGG (Dívida Bruta do Governo Geral) subiu R$ 1,077 trilhão nos primeiros 14 meses do 3º mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Atingiu R$ 8,3 trilhões em fevereiro de 2024, segundo dados do BC (Banco Central).

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) entregou a relação dívida-PIB em 71,7% em dezembro de 2022. De janeiro de 2023 a fevereiro de 2024, o percentual foi a 75,6% sob a gestão do petista. Significa um aumento de 3,9 pontos percentuais. As projeções mais recentes do mercado indicam que subirá para 77,5% em 2024 e 80,1% em 2025.

O governo atual foi responsável pela maior expansão nominal do endividamento do país se considerados os primeiros 14 meses de cada governo. Superou o aumento da dívida no 2º mandato de Dilma Rousseff (PT), de R$ 765 bilhões.

A revisão da meta fiscal de 2025 deverá piorar a trajetória da dívida bruta do Brasil em relação ao PIB (Produto Interno Bruto). A relação dívida-PIB do país atingiu 75,6% em fevereiro, o maior patamar desde junho de 2022. A DBGG é composta pelo governo federal, INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) e governos estaduais e municipais.

A meta anterior era de um superavit primário de 0,5% do PIB, com intervalo de tolerância de um saldo positivo de até 0,25%. A mudança feita pelo governo estabeleceu uma meta de 0%, com permissão de ter um deficit de até 0,25% do PIB.

Com informações de Poder 360

Fonte: Portal Grande Ponto

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FUTEBOL NA TV