sábado, 26 de outubro de 2019

REVISTA "ISTO É" ACUSA FAMÍLIA BOLSONARO DE PRÁTICAS CRIMINOSAS


Em uma dura reportagem sobre a família Bolsonaro, a Istoé aponta uma “uma assombrosa malha de práticas criminosas”. A revista também cita uma “poderosa rede de milicianos digitais”, bem como lua de mel e carro blindado de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) pagos com dinheiro público.

Em uma dura reportagem sobre os bastidores da presidência da República, a revista IstoÉ afirma ter descoberto uma “uma assombrosa malha de práticas criminosas que já levaram no Brasil, legal e legitimamente, à abertura de processos de impeachment do mais alto mandatário da Nação”.

Assinada pelo jornalista Germano Oliveira, matéria também aponta uma a “manutenção de uma poderosa rede de milicianos digitais operados diretamente pelo Planalto, promíscuo fato que joga na marginalidade a República brasileira, transformando-a em republiqueta de fundo de quintal”. “Ou, melhor: fazendo da República uma associação criminosa de milicianos”, diz o texto.

A “quadrilha digital”, termo usado na reportagem, seria chefiada por Dudu Guimarães, assessor parlamentar do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). De acordo com o texto, “Dudu é o responsável pelo falso perfil Snapnaro, e há outros perfis, igualmente falsos, comandados pelos Bolsonaros – como Bolsofeios, Bolsonéas e Pavão Misterioso”.

O grupo é coordenador pelo vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) e pelo assessor internacional da Presidência do Brasil, Filipe Martins. Também é formado por três funcionários públicos que operam na criação de notícias favoráveis ao atual ocupante do Planalto, mas também produzem fake news e dossiês contra desafetos, estejam eles dentro ou fora do governo. São eles: Tércio Arnaud Tomaz, José Mateus Salles Gomes e Mateus Matos.

ROBSON PIRES

Nenhum comentário:

Postar um comentário